Home » News » Para ser rico no Brasil, vale ser servidor público, diz NYT

Enquanto o funcionalismo sofre restrições em outros países pelo desempenho da economia mundial, no Brasil é bom caminho para se tornar rico, constata The New York Times

São Paulo – É uma “surpresa” para quem não mora aqui, mas no Brasil, uma boa forma de enriquecer é se tornando servidor público, segundo o The New York Times. Com o mundo vivendo um clima econômico desfavorável, os funcionários brasileiros vivem “um cobiçado baluarte de privilégio”.

“Enquanto os servidores públicos na Europa e Estados Unidos estão tendo os salários reduzidos ou sendo demitidos, alguns funcionários públicos no Brasil estão recebendo salários e benefícios que deixam seus pares nos países desenvolvidos bem atrás”, diz a reportagem, que enfileirou uma série de exemplos para ilustrar as anomalias salariais brasileiras (veja lista abaixo).

Os juízes aqui, por exemplo, chegam a ganhar mais que em Nova York.

Segundo o Congresso em Foco, passa da casa dos dois mil o número de servidores que ganham mais que ministros do Supremo Tribunal Federal, que recebem R$ 28.059,29 por mês, valor que deveria ser o teto do funcionalismo.

O jornal afirma que, a medida que a economia brasileira começa a estagnar, surge no país um ressentimento quanto às desigualdades da burocracia nacional.

Enquanto alguns excedem os limites constitucionais, professores e policiais permanecem com soldos baixos, numa grande distância dos altos servidores.

Profissionalismo

Entre os países emergentes, o setor público brasileiro garante alguns “bolsões de excelência” invejados pelo “profissionalismo”, mas “serviços como educação e tratamento de esgoto permanecem lastimáveis” enquanto o governo brasileiro “financia confortavelmente a si próprio”, diz o NYT.

A resistência deste funcionalismo privilegiado em revelar os salários também é abordado, com destaque para o Congresso.

“Sindicatos poderosos de certas classes de funcionários públicos, fortes proteções legais para os servidores do governo, um setor público inchado que tem criado muitos novos empregos bem-remunerados, e generosos benefícios, tudo isso torna o setor público brasileiro um cobiçado baluarte de privilégio”, diz o jornal

Confira abaixo os exemplos apurados pelo NYT (a maioria provenientes da Lei de Acesso à Informação):

– Funcionário de um tribunal em Brasília recebeu 445 mil reais (US$ 226 mil) em um ano. É mais do que um ministro do STF.

– Engenheiro do DER- SP recebe US$ 263 mil (R$ 518 mil) por ano. Mais do que a presidente Dilma Rousseff.

– Quase 170 funcionários do Tribunal de Contas de SP recebem salários mensais de pelo menos 23 mil reais. Mais do que o prefeito da cidade, Fernando Haddad.

– Um juiz estadual em São Paulo recebeu recentemente US$ 361 mil (R$ 711 mil) por mês, enquanto os maiores salários anuais dos juízes do estado de NY são de US$ 198.600.

– Auditor em Minas Gerais ganhou US$ 81 mil (R$ 159 mil) em um mês e uma bibliotecária, US$ 24 mil (R$ 47 mil).

– No pobre estado do Maranhão, deputados concederam a si mesmos o equivalente a 18 salários anuais, de aproximadamente US$ 10 mil (R$ 19,7 mil) cada.

– Uma funcionária da justiça estadual de SP teria recebido cerca de 115 mil (R$ 226 mil) por compensação de não tirar licenças.

Fonte: Exame

Saiba mais no SOS Concurseiro

1 Comment

  1. ADEMIR disse:

    A análise peca em dizer que um juiz brasileiro ganha mais que um americano, uma vez que não compara a paridade do poder de compra entre eles. Só pra se ter uma ideia do que estou falando, aqui no Brasil pagamos cerca de U$ 30.000,00 em um Toyota Corolla, preço de um Camaro nos EUA. Aqui o mesmo Camaro custa R$ 225.000,00, cerca de U$ 110.000,00….

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Login