Home » News » Pernambuco: Mais temporários no Estado

Número de servidores contratados por tempo determinado cresceu 41%, em comparação com a gestão anterior

A contratação de trabalhadores temporários aumentou na gestão do governador Eduardo Campos (PSB). Em 2006, eles eram 15.162 nos quadros do Estado. Na atual administração, subiram para 26.544 servidores, o que significou um incremento de 41% até ontem, quando se compara com a gestão anterior. Atualmente, os servidores com tempo de trabalho contado representam 15% de todos os 141 mil funcionários ativos do Estado. “Nesse mesmo período, aumentou em 163,5% a contratação dos concursados de carreira, comparando com o governo anterior”, defende o secretário de Administração, Décio Padilha.

Ele diz que a contratação dos temporários ocorreu principalmente para fornecer mão de obra a nove grandes projetos atualmente desenvolvidos pelo Estado, incluindo o Travessia – que faz uma correção de fluxo dos alunos repetentes na rede estadual de ensino -, Chapéu de Palha, Se Liga e Acelera (que tem o objetivo de corrigir distorções dos alunos na idade-série), entre outros. Os programas campeões de contratação de temporários são o Travessia (com mais de 5 mil temporários) e o Se Liga e Acelera que tem mais de 3 mil contratados dessa forma.

“Não faz sentido contratar um funcionário cujo recurso para pagar o salário existe por um prazo curto e específico”, explica Padilha. “A maioria esmagadora dos servidores foi contratada por concurso público, o que corresponde a 85% do quadro”, comenta Padilha. A folha de pagamento do Estado é de R$ 647 milhões por mês, o que resulta em R$ 7,8 bilhões por ano. Os temporários respondem por 5,4% do valor que o Estado gasta com pessoal.

CRÍTICA

“Está ocorrendo um loteamento político do Estado com as contratações temporárias. Consideramos isso uma falha na aplicação da política pública do governo estadual”, diz o presidente do Sindicato dos Servidores públicos Civis do Estado de Pernambuco (Sindserpe), Renilson Oliveira. Segundo ele, a contratação desse tipo de servidor ocorre de forma mais simplificada e aí fica mais fácil ocorrer a indicação política. “Sabemos que uma boa parte dos temporários foi contratada dessa maneira”, lamenta Oliveira.

A informação do sindicalista foi rebatida por Décio Padilha que afirma que a maioria dos temporários faz prova desde 2007, “afastando a indicação política”. As contratações feitas sem prova recentemente, de acordo com o secretário, foram algumas feitas com urgência e de forma simplificada, como a da Fundação de Atendimento Socioeducativo (Funase) e a da Secretaria de Trabalho Qualificação e Emprego (STQE).

Ainda de acordo com Padilha, o Estado deve diminuir a contratação de temporários, porque alguns programas da área de educação que usam essa mão de obra serão transferidos para os municípios em 2015 e porque alguns projetos vão acabar. A atual gestão pretende encerrar 2014 com os temporários respondendo por 3,5% da folha de pagamento dos servidores.

Fonte:Jornal do Commércio

Saiba mais no SOS Concurseiro

 

1 Comment

  1. Luiz Moraes disse:

    Queria saber como faz para ser concursado do Detran PE, não lembro qual foi a última vez que acontece processo seletivo. No site não tem sinal de nada…quero saber para poder divulgar a outros interessados. Alguém sabe me informar?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *