Home » News » Fiocruz aguarda autorização para oferta de 400 vagas

Pesquisas indicam que o desemprego é um dos principais fatores que preocupam muitos trabalhadores. Por isso, ter um emprego estável é o sonho de grande parcela da população brasileira. Quem deseja se tornar servidor público não pode perder tempo e deve ficar sempre atento às novas seleções. E entre as boas oportunidades de concurso em pauta está o da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), tradicional instituição estatutária da área da saúde. Conforme a Diretoria de RH da instituição informou à FOLHA DIRIGIDA, a Fiocruz, que não elabora um processo seletivo desde 2010, encaminhou em março deste ano pedido de realização de concurso ao Ministério do Planejamento, e agora aguarda a resposta do órgão. No documento, a Fundação fez o pedido de 400 vagas, distribuídas da seguinte maneira: técnico em saúde pública (65), tecnologista em saúde pública (150), analista de gestão em saúde pública (cinco), especialista (30) e pesquisador em saúde pública (150).

Não haverá vagas para o cargo de assistente técnico de gestão em saúde pública, como ocorreu na última seleção da Fiocruz. Segundo a Diretoria de RH, o número de servidores para esta função é suficiente no momento. A Diretoria também informou que parte do quantitativo substituirá os terceirizados da Fundação Oswaldo Cruz. Embora a Fiocruz tenha unidades no Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Bahia, Manaus, Recife e Brasília, é provável que só haja vagas para o Rio, onde a carência é maior. Somando os funcionários de todos essas localidades, a instituição é composta atualmente por 6.985 terceirizados, 1.752 tecnologistas, 1.140 pesquisadores, 150 especialistas, 815 assistentes e 838 analistas.

A exigência será por profissionais dos níveis médio/técnico e superior. Será necessária ainda experiência mínima de seis meses. Esse requisito se deve ao fato de que, no último concurso, em 2010, muitos servidores ingressaram na Fiocruz sem nenhuma prática profissional, o que acarretou problemas para a instituição. As vagas serão, provavelmente, para temporários e efetivos – em proporção ainda não definida. A Diretoria de RH da Fundação Oswaldo Cruz informou ainda que, no pedido feito ao Ministério do Planejamento para a realização do concurso anterior do órgão, a resposta do Ministério também demorou, mas não tanto quanto para esta seleção. Ela afirma que não há um prazo pré-determinado para que isto ocorra. Contudo, devido ao quadro de déficit de pessoal, a expectativa é de que a autorização seja concedida em breve.

De acordo com uma previsão inicial feita pela Fiocruz, se o órgão já tivesse recebido o aval do Ministério do Planejamento para preparar o processo seletivo, o edital seria liberado neste mês, e as avaliações seriam realizadas em outubro ou novembro. Tão logo a Fundação obtenha a autorização, iniciará os preparativos do concurso, devido à demanda por novos funcionários para a Casa. Os valores das remunerações desses novos servidores, bem como será feito o processo de avaliação dos candidatos ainda não foram definidos. Eles serão estabelecidos assim que a Fiocruz receber a autorização para o concurso. Apenas como referência, e tendo como base o edital do concurso aberto em 2010, os vencimentos básicos eram de R$1.678,28 (técnico); R$3.048,03 (analista e tecnologista); R$3.475,87 (pesquisador) e R$5.558,82 (especialista) – valores que, na nova seleção, certamente serão reajustados.

Seleção anterior ocorreu em 2010
Se as avaliações dos concorrentes forem da mesma maneira que no último processo seletivo da Fiocruz, haverá exames objetivo e análise de títulos. Para alguns cargos, houve ainda prova discursiva, prática e defesa pública de memorial. O último concurso para o órgão visava ao preenchimento de 850 vagas para os mesmos cargos que serão contemplados na atual seleção. O processo seletivo contou com 66.723 inscritos, e a Fundação Getúlio Vargas (FGV) foi a responsável pela elaboração do edital.

Fonte: Folha Dirigida
Saiba mais no SOS Concurseiro.com.br

Pesquisas indicam que o desemprego é um dos principais fatores que preocupam muitos trabalhadores. Por isso, ter um emprego estável é o sonho de grande parcela da população brasileira. Quem deseja se tornar servidor público não pode perder tempo e deve ficar sempre atento às novas seleções. E entre as boas oportunidades de concurso em pauta está o da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), tradicional instituição estatutária da área da saúde. Conforme a Diretoria de RH da instituição informou à FOLHA DIRIGIDA, a Fiocruz, que não elabora um processo seletivo desde 2010, encaminhou em março deste ano pedido de realização de concurso ao Ministério do Planejamento, e agora aguarda a resposta do órgão. No documento, a Fundação fez o pedido de 400 vagas, distribuídas da seguinte maneira: técnico em saúde pública (65), tecnologista em saúde pública (150), analista de gestão em saúde pública (cinco), especialista (30) e pesquisador em saúde pública (150).

Não haverá vagas para o cargo de assistente técnico de gestão em saúde pública, como ocorreu na última seleção da Fiocruz. Segundo a Diretoria de RH, o número de servidores para esta função é suficiente no momento. A Diretoria também informou que parte do quantitativo substituirá os terceirizados da Fundação Oswaldo Cruz. Embora a Fiocruz tenha unidades no Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Bahia, Manaus, Recife e Brasília, é provável que só haja vagas para o Rio, onde a carência é maior. Somando os funcionários de todos essas localidades, a instituição é composta atualmente por 6.985 terceirizados, 1.752 tecnologistas, 1.140 pesquisadores, 150 especialistas, 815 assistentes e 838 analistas.

A exigência será por profissionais dos níveis médio/técnico e superior. Será necessária ainda experiência mínima de seis meses. Esse requisito se deve ao fato de que, no último concurso, em 2010, muitos servidores ingressaram na Fiocruz sem nenhuma prática profissional, o que acarretou problemas para a instituição. As vagas serão, provavelmente, para temporários e efetivos – em proporção ainda não definida. A Diretoria de RH da Fundação Oswaldo Cruz informou ainda que, no pedido feito ao Ministério do Planejamento para a realização do concurso anterior do órgão, a resposta do Ministério também demorou, mas não tanto quanto para esta seleção. Ela afirma que não há um prazo pré-determinado para que isto ocorra. Contudo, devido ao quadro de déficit de pessoal, a expectativa é de que a autorização seja concedida em breve.

De acordo com uma previsão inicial feita pela Fiocruz, se o órgão já tivesse recebido o aval do Ministério do Planejamento para preparar o processo seletivo, o edital seria liberado neste mês, e as avaliações seriam realizadas em outubro ou novembro. Tão logo a Fundação obtenha a autorização, iniciará os preparativos do concurso, devido à demanda por novos funcionários para a Casa. Os valores das remunerações desses novos servidores, bem como será feito o processo de avaliação dos candidatos ainda não foram definidos. Eles serão estabelecidos assim que a Fiocruz receber a autorização para o concurso. Apenas como referência, e tendo como base o edital do concurso aberto em 2010, os vencimentos básicos eram de R$1.678,28 (técnico); R$3.048,03 (analista e tecnologista); R$3.475,87 (pesquisador) e R$5.558,82 (especialista) – valores que, na nova seleção, certamente serão reajustados.

Seleção anterior ocorreu em 2010

Se as avaliações dos concorrentes forem da mesma maneira que no último processo seletivo da Fiocruz, haverá exames objetivo e análise de títulos. Para alguns cargos, houve ainda prova discursiva, prática e defesa pública de memorial. O último concurso para o órgão visava ao preenchimento de 850 vagas para os mesmos cargos que serão contemplados na atual seleção. O processo seletivo contou com 66.723 inscritos, e a Fundação Getúlio Vargas (FGV) foi a responsável pela elaboração do edital.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Login