Home » News » MPF/RJ quer anulação da última etapa de concurso para praticante de prático

Concurso teve sigilo violado e denúncias de favorecimento.

O Ministério Público Federal no Rio de Janeiro (MPF/RJ) enviou recomendação à Diretoria de Portos e Costas (DPC) da Marinha para anulação da última fase do processo seletivo para praticante de prático, aplicadas a partir do último dia 30. O MPF/RJ quer também a suspensão do concurso até que se conclua a sindicância instaurada e que se conheça a fonte dos vazamentos de questões. O prático é responsável pelas manobras de navios em trechos próximos a costas, baías e portos.

Devido à quebra de sigilo do conteúdo das provas prático-orais aplicadas, o MPF recomenda a elaboração de novos ambientes de simulação e fainas (conjunto de ações e manobras) aplicadas aos candidatos, além da adoção de medidas que preservem o sigilo das provas e da punição dos responsáveis pelos vazamentos já ocorridos ou que venham a ocorrer.

A recomendação, expedida pelo procurador da República Gustavo Magno Albuquerque, também busca a divulgação dos nomes dos integrantes da banca examinadora, a verificação de eventuais impedimentos dos examinadores para avaliação de candidatos com os quais possam ter relações pessoais e profissionais e a publicidade na aplicação das provas prático-orais.

O MPF recomenda ainda a adoção de medidas para preservar o equilíbrio entre os candidatos que prestem novas provas prático-orais nos primeiros e nos últimos dias de aplicação, a divulgação em atas das notas atribuídas a cada candidato em relação a cada quesito, a instituição de “quarentena” para os integrantes de bancas examinadoras e a reavaliação do gabarito de questões da prova escrita anuladas em decisões judiciais.

O MPF recebeu denúncia de que os candidatos da prova prático-oral do concurso já teriam conhecimento da manobra que seria exigida a cada dia de exame, após a publicação delas em anúncio de classificados e em um site da internet. Poucas horas após o comparecimento do procurador da República Gustavo Magno Albuquerque ao local das provas para apurar as denúncias, em 3 de setembro, o diretor de Portos e Costas da Marinha publicou edital em que anulou todas as provas prático-orais até então realizadas e suspendeu a realização das provas restantes. Alguns dias depois a DPC publicou outro edital, em que determinou a retomada do concurso, com reinício das provas em 30 de setembro. O mesmo edital prevê que seriam aplicadas as mesmas 17 provas já realizadas.

O MPF também apurou uma intensa troca de mensagens entre os candidatos com detalhes das manobras incluídas em cada um dos 17 modelos de prova, o que compromete o sigilo do conteúdo das provas.

Fonte: MPF
Saiba mais no SOS Concurseiro.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *