Home » News » Juiz do trabalho dá dicas de preparação para a prova da magistratura

Trabalhar no poder judiciário é o sonho de muitos concurseiros. Afinal, a alta remuneração e a possibilidade de ascensão profissional pesam bastante na balança. Um dos concursos mais concorridos do país, o do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 1ª Região (Rio de Janeiro) começa sua maratona de provas no dia 22 de dezembro. São 29 vagas para juiz do trabalho substituto, com salário de R$22.854,46.

Para Marcelo Moura, juiz da 19ª Vara Trabalhista do Rio de Janeiro e coordenador acadêmico da GMX Brasil, que está no mercado desde 2010 e é uma das três principais empresas de cursos jurídicos do país, se tornar um magistrado é tarefa difícil e exaustiva, mas que vale a pena. “O concurso para juiz do trabalho é extremamente seletivo, com reduzida porcentagem de aprovação e um dos mais difíceis, senão o mais difícil, das carreiras jurídicas”.

Marcelo explica que, para ser bem sucedido nas provas, o candidato deve “dominar a legislação, a doutrina e a jurisprudência.” “Sem a conjugação desses três elementos, é impossível ter êxito no concurso público para juiz, que visa, principalmente, avaliar a cultura jurídica do candidato”, afirma.

Cinco etapas fazem parte do processo de classificação dos candidatos: prova objetiva; provas discursivas, inscrição definitiva, sindicância da vida pregressa e investigação social, exame de sanidade física e mental e exame psicotécnico; prova oral e análise de títulos. Essas fases acontecem entre dezembro de 2013 e maio de 2014. A primeira prova, no dia 22 de dezembro, consta de 100 questões objetivas que abordam doze áreas do direito, entre elas, direito individual e coletivo do trabalho, direito administrativo, penal, constitucional, processual civil, previdenciário e empresarial. Marcelo Moura esclarece que “o juiz do trabalho deve dominar o direito processual civil e também ter noções básicas das outras matérias que compõem o direito. A leitura dos conteúdos deve ser feita com bastante atenção. Medite sobre os assuntos estudados e forme uma convicção particularizada sobre cada tema polêmico.”

Uma eficiente forma de estudar, sobretudo na reta final de preparação, é fazer as questões dos concursos anteriores. Com isso o candidato fixa o conteúdo e se familiariza com as abordagens da banca examinadora, no caso, a Fundação Carlos Chagas.

Para ajudar o concurseiro nessa empreitada, a GMX Brasil inicia, no próximo dia 18, uma turma intensiva de exercícios, coordenada pelo juiz Marcelo Moura. As aulas são ministradas a partir da correção das últimas provas por corpo docente extremamente capacitado, composto por advogados, juízes, procuradores, promotores, defensores e auditores públicos. As aulas são gravadas e estarão disponíveis online para o aluno que precisar se ausentar.

Para finalizar, o juiz do trabalho Marcelo Moura dá um último conselho, baseado na sua própria experiência de concurseiro que alcançou o sonho de se tornar um magistrado.

“A única receita para o sucesso no concurso público é estudar sempre, não tem saída. É preciso esforço, dedicação, disciplina e organização. E nunca desanimar. Não se preocupe achando que estudou muito e não sabe nada. Isso é normal, mas é só uma impressão. Inclusive porque, se tratando de ciência jurídica, nunca saberemos tudo. O importante é ter argumentos para resolver as questões e esses argumentos são aprendidos e fixados durante os estudos”, conclui Marcelo Moura.

Fonte: Monitor Digital
Saiba mais no SOS Concurseiro.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *