Home » News » Sindicato quer alteração em edital de concurso da Saúde no Acre

Edital exige experiência de 6 meses para candidatos. Grupo protestou em frente ao MP-AC, nesta quarta (6).

Um grupo de pessoas ligadas ao Sindicato dos Profissionais Auxiliares, Técnicos de Enfermagem e Enfermeiros do Estado do Acre (Spate) se reuniu em frente ao Ministério Público do Estado do Acre (MP-AC) para protestar contra a exigência de seis meses de experiência para a contratação de profissionais, no concurso público da Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre). O ato ocorreu nesta quarta-feira (6), em Rio Branco.

Para o presidente do Spate, Raimundo Corrêa, essa exigência não deixa a concorrência justa, principalmente para aqueles que terminaram há pouco tempo a graduação. “Achamos que a exigência fere a liberdade de concorrência. É um concurso ao público, então não pode cercear o direito de ninguém. É frustrante você passar 5 anos no banco de uma faculdade ou mesmo 2 anos em um curso técnico e terminando, não tem nem a chance de concorrer a um concurso público”, afirma.

A enfermeira Amanda Maia enfatiza que o concurso prejudica os recém-formados. “A nossa maior dificuldade é em relação a experiência profissional, porque os recém-formados não tem. A nossa maior bandeira é lutar pelos acadêmicos que estão concluindo o curso”, fala.

A categoria pretende fazer manifestações e, com isso, pedir o cancelamento dessa parte do edital. “Não queremos que seja cancelado o concurso, mas que essa parte seja cancelada para que abra para ampla concorrência”, disse Corrêa.

Secretaria defende exigência
Procurada pelo G1, a assessora técnica da Secretaria de Saúde, Dora Lima defendeu a exigência. “A própria Constituição Federal no artigo 37 inciso 2 diz que a investidura em cargo depende da aprovação em concurso público de provas e títulos de acordo com a natureza e complexidade do cargo na forma prevista em lei. A lei que rege os concursos públicos da Saúde, é o nosso PCCR”, explica.

De acordo com ela, o Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração (PCCR)  dos servidores da Saúde estabelece a experiência como pré-requisito para o ingresso no cargo de enfermeiro. “Estamos, portanto, segundo a Constituição, respaldados para a exigência. De modo geral essa experiência seria de um ano, estamos reduzindo para facilitar vida do candidato, mas ela é plenamente justificável. A função do concurso é selecionar o candidato melhor preparado para o cargo público. Em nenhum momento estamos inventando isso, temos base legal”, argumenta.

A assessora não descarta que o questionamento seja levado em consideração em concursos públicos posteriores. “Essa não é a primeira vez que ocorre, o estado tem inclusive um posicionamento da Procuradoria Geral sobre isso, mas nada que o estado não queira rever. Não é do interesse dele prejudicar ninguém, mas seria incongruente não acatar a lei. Esse PCCR vai passar por revisão em fevereiro de 2014 e é possível que seja revisto”, conclui.

Fonte: G1 
Saiba mais no SOS Concurseiro.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Login