Home » News » TJ/PI: Sindicato denuncia excesso de comissionados e carência de efetivos

Segundo o Sindicato dos Servidores do Judiciário, existem mais de 3 mil comissionados, enquanto há uma carência de mil servidores efetivos

O parágrafo II, do artigo 37 da Constituição Federal de 1988 é bem claro: a investidura em cargo ou emprego público depende de aprovação prévia em concurso público. O objetivo do legislador é garantir que as vagas sejam preenchidas por critérios técnicos, evitando assim que avaliações pessoais superem interesses profissionais.

No dia-a-dia da administração pública piauiense, no entanto, a lei não é cumprida. Graças ao mesmo parágrafo, que permite que cargos de chefia, direção e assessoramento sejam escolhidos por quaisquer critérios – inclusive pessoais, os gestores públicos enchem os órgãos públicos, sejam eles do Executivo, Legislativo ou Judiciário, de servidores com afinidades com os administradores dos Poderes. São os chamados cargos de confiança ou em comissão.

No Poder Judiciário do Piauí, dos 2.147 servidores, 508, ou 24% do total, são formados por profissionais que ocupam cargos de confiança. Esses profissionais foram nomeados por livre escolha de desembargadores e juízes, e não necessariamente por possuírem capacidade técnica.

Segundo o presidente do Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário do Estado do Piauí (Sindsjus- PI), Carlos Eugênio, o número de servidores comissionados é muito maior do que o divulgado pelo TJ. “Existem pelo menos 3 mil pessoas ocupando cargos em comissão, o que chega a ser o dobro do total de efetivos, cerca de 1,6 mil”, acusa o sindicalista.

Para Eugênio, o TJ prejudica a sociedade quando coloca uma quantidade excessiva de pessoas para trabalhar no Judiciário sem ter feito concurso, enquanto há milhares de pessoas capacitadas que ficam de fora porque o número de vagas criadas pelo Judiciário, para ocupantes de cargos efetivos, é muito pequeno.

Fonte: Portal O Dia
Saiba mais no SOS Concurseiro.com.br

1 Comment

  1. Rafael disse:

    ABSURDO!
    MAIOR AINDA É SABER QUE O MP NÃO FAZ NADA QUANTO A ISSO!
    #BRASIL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Login