Home » News » Final de ano é para avaliar a carreira. E apostar nos concursos

Com 2013 já se despedindo e 2014 cada vez mais próximo, é comum as pessoas avaliarem como foi o ano que se encerra. E, sobretudo, fazerem planos para o seguinte. Isso pode gerar dores de cabeça quanto ao que fazer. Há quem se sinta frustrado e tentado a mudar de emprego por achar que está profissionalmente estagnado. Porém, é necessário cautela ao chegar a essa conclusão. Não é porque se está há muito tempo em um lugar que se está parada, perdendo tempo. É o que diz a entrevistada pela FOLHA DIRIGIDA Online, Cristiane Oliveira, gestora de soluções e desenvolvimento da Across Consultoria de Soluções em Carreira e Liderança. Nesta reportagem, ela aponta quais aspectos devem ser levados em conta quando da análise crítica da própria carreira. E explica por qual razão, nesta fase do ano marcada pela tomada de decisões, milhares de brasileiros optam por começar a investir nos concursos públicos.

“Sinal claro de estagnação é não inovar, não fazer algo novo e não aprender. Uma coisa que eu sempre digo com minha experiência, é que as pessoas confundem estagnação com promoção. Logo, a pessoa fala ‘poxa, eu não sou promovido e isso é sinônimo de estagnação’. Isso não é verdade. Você pode estar no emprego há vários anos, mas em termo de atividades, projetos e desafios, ainda estar aprendendo e se desenvolvendo… O que vai determinar sua estagnação é o tempo que você está fazendo a mesma coisa – e do mesmo jeito! Isso é uma acomodação, uma estagnação. Ao avaliar a si mesmo, o profissional precisa fazer as seguintes perguntas: O que eu fiz de novo? O que eu aprendi nesse último ano, na minha função? A resposta a essas questões é que poderão falar para ele: ‘Sim, eu estou acomodado, fazendo a mesma coisa já há muito tempo. É preciso mudar!'”.

Segundo a especialista, este é o indício de uma necessidade de se movimentar, aumentar o grau de desafios, apostar numa especialização ou em projetos novos. “Este profissional tem que começar a angariar coisas, começar a procurar funções que sejam novidade para ele”, pontua. O serviço público, como mostrado com frequência em reportagens na mídia, e sobretudo aqui na FOLHA DIRIGIDA, é um grande portal para mudanças e o sucesso – abrindo caminhos para a realização profissional e pessoal. E, apesar de ser estereotipado como um setor de pouca atividade e bastante inerte, Cristiane alerta que não há como se generalizar o serviço público. “Historicamente, enxergamos o setor público com uma velocidade talvez não tão acelerada quanto uma empresa privada. Mas, na minha experiência na Consultoria Across, eu vejo aumentar o número de workshops e de desenvolvimento de carreira dentro da esfera da administração pública”, conta ela, apontando significativos avanços na gestão de carreiras dos servidores.

Ela ainda acrescenta, ponderando entre o público e o privado. “O primeiro é um pouco diferente do segundo, mas certamente ambos são espaços que oferecem desenvolvimento, aprendizado. A carreira pública, por certo, têm um investimento técnico bastante grande, além da questão da estabilidade, que é algo conhecido e muito buscado pelos profissionais. Então, ela tem uma chave de vantagens incontestáveis. Mas o profissional que se identificar mais com um lugar mais ativo, mais agressivo, de maior velocidade, de um dinamismo maior, talvez encontre-se mais realizado no setor privado, apesar dos maiores riscos.”

Finalizando, Cristiane, que possui 10 anos em consultoria pela Across, frisa que não basta apenas pesar os prós e os contras, é preciso quantificar a importância que cada coisa tem em sua vida e ver o espaço que elas tomam em sua rotina. “Acho que cada vez mais a gente busca esse equilíbrio entre a vida pessoal e a profissional. Isso é diferente de pessoa para pessoa. Há quem se sinta muito bem dedicando mais horas para o trabalho do que para uma vida pessoal. Outra análise importante para o profissional fazer é sobre o que ele precisa aprender. Ter em mente que, para manter-se profissionalmente ‘vivo’, seja no setor público ou no privado, precisa buscar cursos, capacitação, precisa se aprimorar em alguma área do conhecimento que já tenha. Enfim, precisa buscar saberes novos, ou algum profissional que o oriente neste sentido”.

Fonte: Folha Dirigida

Saiba mais no SOS Concurseiro.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Login