Home » News » Analisando a banca: Cespe/UnB

Especialistas em preparação para concursos são unânimes em afirmar que as melhores estratégias para conquistar a aprovação incluem o conhecimento dos critérios e metodologias da banca responsável pela organização do certame. Muitas das bancas organizadoras mais importantes são vinculadas a instituições de ensino que contam com quadros permanentes de professores responsáveis pela abordagem do conteúdo e elaboração das questões propostas nas provas. Conhecer o perfil de cada banca constitui, portanto uma grande vantagem para o candidato. Por isso, o Mapa da Prova elaborou uma série com análises das principais bancas do país. Começamos com o Cespe/UnB. Boa leitura!

O Centro de Seleção e de Promoção de Eventos da Universidade de Brasília (Cespe/UnB) começou sua atuação na década de 1970. Na época, era chamado de Comissão Permanente de Concurso Vestibular (Copeve) e tinha como atribuição organizar o acesso à Universidade. Com a contratação pelo Governo do Distrito Federal (GDF) para realizar concursos públicos de órgãos da região, deu-se início a uma nova fase de prestação de serviços à comunidade.

A crescente demanda culminou na criação da Diretoria de Acesso ao Ensino Superior (DAE), em 1987, que passou a planejar e executar as atividades de vestibulares e concursos. A atuação da DAE, por sua vez, resultou na criação do Cespe/UnB, em 1993. Com mais autonomia que seus antecessores, o Cespe/UnB logo ganhou destaque nacional e passou a atuar em concursos públicos, avaliações educacionais, certificações, cursos de formação, capacitação e ambientação entre outros.

Entre 2010 e 2012, o Cespe/UnB realizou quase 150 concursos, com mais de 5.367.533 de inscritos, em todos os estados do país, nas mais diferentes áreas de atuação: jurídica, administrativa, educacional, executiva, entre outras. A banca é reconhecida (e temida) pela qualidade técnica na elaboração das provas.

O Cespe/UnB adota predominantemente questões nas quais o candidato deve marcar como certa ou errada. Há também questões de múltipla escolha com cinco alternativas. As assertivas das questões de certo ou errado são analisadas individualmente e cada erro anula um acerto o que faz dessas questões as mais temidas pelos candidatos. Portanto não é recomendado tentar “chutar”.

As questões do Cespe são analíticas e exigem alta capacidade de interpretação de dados, situacional e de gráficos. Essas questões (de maior caráter analítico) têm mais densidade interdisciplinar, o que faz com que o candidato precise analisar em vez de apenas memorizar. A “Elaboração Interrogativa” deve ser usada pelo candidato durante seu estudo, para melhor sistematizar as relações entre cada um dos conteúdos do edital.

Muito cuidado porque o Cespe/UnB costuma apresentar argumentações solidamente estruturadas para justificar assertivas erradas, podendo induzir o candidato a marcar como certo um item definitivamente errado.

Devido aos textos mais longos e ainda à complexidade das assertivas, o tempo de realização da prova precisa ser bem administrado, o que faz do treinamento e da simulação prévia um dos exercícios mais interessantes para a preparação do candidato.

As provas do Cespe/UnB não costumam cobrar todo o conteúdo programático do edital, mas privilegiar conteúdos especialmente queridos pela banca. Então, conhecer a organizadora do seu concurso pode fazer toda a diferença no dia da prova.

Veja exemplos:

•    Em Língua Portuguesa: São recorrentes questões sobre funções dos termos “que” e “se”;
•    Em Raciocínio Lógico privilegia-se a lógica das preposições e silogismos;
•    Nas provas de Tecnologia da Informação e Informática nos últimos anos houve uma diminuição das ilustrações na prova, privilegiando-se a linguagem verbal, o conhecimento de conceitos de governança e de novas tecnologias e ferramentas;
•    Em Direito existe uma distinção fundamental a ser feita quando se trata de Administrativo e Constitucional: Na provas de Administrativo existe uma forte utilização de interpretações doutrinárias, de análises situacionais e do uso de jurisprudência e das súmulas dos tribunais superiores. Nas de Constitucional o Cespe/UnB possui tradição de privilegiar a “letra da lei” e as interpretações do STF e do STJ. Por isso, existem essas diferenças ao estudar essas duas disciplinas.

Fonte: Blog Mapa da Prova
Saiba mais no SOS Concurseiro.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Login